Ser MAGRA, até onde é "por você"?


Bom, quem me conhece sabe que sou bem direto e prática, vou sempre direto ao ponto, sem muito mimimi... Então sejamos realistas, o que quero que vocês reflitam hoje é o porque e o quanto este seu desejo de estar trincada, seca, magra ou estar com as medidas e o corpo igual a blogueira fitness do instagram tem a ver com as suas REAIS vontade e os seus desejos "internos" ?

O quanto isso é por você, o quanto isso tem a ver com você, o quanto suas metas são tangíveis e realistas para você!

Qual é seu padrão de referência? Sua amiga que tem um biotipo totalmente diferente do seu? Sua colega de trabalho que não tem filhos e não teve mudanças no corpo? Ou sua vizinha que tem 10 anos a menos que você?

Com quem você se compara? com sua amiga que (tem o corpo trincado) mas que passa o dia na academia e nunca come um delicioso pedaço de pizza ou não degusta um vinho com o marido (e não vive também, "sorry" ) ou ainda aquela modelo famosa que vive "do corpo dela"?

Suas metas são tangíveis? São realistas? Você deseja estar assim para se sentir bem consigo mesma ou para agradar a sociedade ou ainda para mostrar pra alguém que você tem um corpo bonito.

Você quer estar com a saúde em dia e estar em paz consigo mesma ou quer viver a base de anabolizantes para manter seus músculos definidos ou ainda depender de remédios para emagrecer a vida toda? Ou ainda se privar de tudo, e viver em restrição, ah com mau humor claro!

Esqueça a calça ou o bíquini de lacinho que você usava quando tinha 20 anos eles eram para serem usados quando você tinha 20 anos, e não agora com 35 ou 40. Envelhecer é um processo natural, faz parte do ciclo da vida, nosso corpo muda, a pele muda, o metabolismo muda junto com nossa idade. Óbvio que podemos fazer o melhor pra estarmos de bem com nosso corpo, nos cuidarmos , cuidarmos da nossa estética, da pele, sermos vaidosos, nos exercitarmos, buscarmos a longevidade, mas é um processo natural, e os padrões de referências para nosso corpo, magreza, estética e medidas também mudam. Porém, cuide! Eles tem de serem REAIS, tangíveis, e não virtuais ou exagerados. Temos que nos amar, nos aceitar, nos sentirmos bem.

Gostar do próprio corpo e não ser escrava da indústria da beleza não significa abandonar toda e qualquer preocupação com sua saúde e estética e sim encontrar um equilíbrio entre tudo isso para viver em paz consigo mesmo! Ter/aceitar e querer um corpo real de acordo com seu biotipo, com sua realidade, com seu DNA, com sua saúde, com sua DEDICAÇÃO e seu esforço também. E sim, com seus reais desejos, para você e por você (com saúde sempre), isso que realmente importa, o resto é balela...(da mídia e da sociedade)

Beijos da nutri!

#emagrecimento

© 2005 by Aline Tonin