"Carbo" fobia


A carbofobia nada mais é do que o medo exagerado de consumir carboidratos. E esse medo muitas vezes está associado com as informações disponibilizadas nos meios de comunicação, tachando o carboidrato como o grande vilão da alimentação!

Desde que comecei a faculdade de nutrição em 2001 (leia-se: 16 anos atras) já trabalhávamos com redução de carboidratos para emagrecimento, alias desde muitooo tempo atrás se trabalha com redução deste nutriente para eliminarmos uns quilinhos; não só ele mas a gordura processada, o sal, o açúcar, os industrializados e etc.

Mas de um tempo pra cá a "o nome " está na moda, é um tal de bolo, pão, dietas, biscoitos, marmitas e protocolos low carb que nunca vi igual. Acontece meu amigo que se você está fazendo isso sem orientação profissional (de um NUTRICIONISTA que saiba o que está fazendo) é bem provável que você esteja fazendo tudo errado!

Sim, pois precisamos dele assim como todos os outros macro e micronutrientes, em quantidade, qualidade e momento certos! Nossa fonte primária de energia cerebral é o carboidrato, falando-se em performance não vejo melhor maneira senão trabalhar com a periodização do carboidrato (observe o campeão Michael Phelps devorando uma marmita de massa antes da prova de natação)

Para se ganhar massa magra, tônus muscular e evitar a COMPULSÃO alimentar também precisamos dele. E se eu perco massa magra eu ganho flacidez, e meu gasto calórico basal de calorias diminui, ficando mais lento, sim, pois meu corpo gasta muito mais energia pra manter músculos aqui do que gordura no meu corpo.

Não é tão simples assim, cortar carbo da dieta = emagrecimento. Cada grama de carboidrato retém 4 moléculas de água, então corto total = desincho; volto a consumir = inchaço. E tem outra, se trabalharmos com o valor calórico de ingestão diária acima do que você gasta no repouso + gasto da atividade física você não EMAGRECE (leia-se não reduz gordura) mesmo que elimine ele da sua dieta, e ainda corre o risco de ter queda no seu desempenho, ficar irritado e sem energia para trabalhar. Além de que você pode desencadear sérios episódios de compulsão alimentar quando resolver entrar em contato com ele. Colocou na boca, seguraaa não tem como parar de comer!

Então o que devemos fazer? Bom, na minha humilde opinião você precisa de tudo um pouquinho priorizandos os carboidratos bons que vem dos tubérculos, das frutas, dos legumes, da aveia, que vem da natureza. Consumindo eles no momento e quantidade certas, seja pré, pós treino ou fim de tarde (horário de queda de serotonina) ou em outros momentos que seu nutricionista julgar necessário. Não corte nada, não elimine nada. Um prato cheio de carne bovina + saladas e legumes tem mais calorias que um prato mais equilibrado com frango + saladas folhas + arroz integral e feijão por exemplo. É importante também observar seus exames bioquímicos para administrar esta ingestão na sua dieta (insulina, glicemia de jejum, triglicerides entre outros).

Tá vendo, não é tão simples assim, então pare de copiar dieta da internet, da moda ou do vizinho. O melhor plano alimentar é aquele feito sob medida pra você. Coma carboidratos bons sim, da maneira correta e seja feliz!

Beijos da nutri!

#carboidratos #lowcarb #emagrecimento #performance

© 2005 by Aline Tonin